Vacinação

7 de abril - Dia Mundial da Saúde

Vacinação

De acordo com o Ministério da Saúde, em 2017 e 2018 o índice de cobertura das principais vacinas ofertadas pelo SUS registraram queda. Doenças como poliomielite, sarampo e outras que já foram consideradas eliminadas no país são ameaças se a população não compreender os riscos da não vacinação. O Calendário Nacional de Vacinação abrange não só crianças, mas também adolescentes, adultos, idosos, gestantes e povos indígenas.

“As vacinas são substâncias biológicas que estimulam o organismo a produzir anticorpos que levam à imunidade. Esse é o método mais seguro e eficaz de prevenir doenças virais e bacterianas”, explica a dra. Geovana Huber, médica do Brasil Medicina Ocupacional.

No Brasil, o Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde, destaca-se por ser um dos melhores programas de imunização do mundo. Atua na ampliação da prevenção, controle e erradicação de doenças, disponibilizando diversas vacinas gratuitamente à população. A vacinação é um pacto coletivo pela saúde.

Compareça a uma unidade de saúde e atualize sua caderneta de vacinação. E se não tiver caderneta? Não tem problema, você será atendido do mesmo jeito!

 

07 de abril – Dia Mundial da Saúde

7 de abril - Dia Mundial da Saúde

7 de abril - Dia Mundial da Saúde

Escolher uma alimentação balanceada, praticar atividades físicas e evitar o tabagismo e o consumo de bebidas alcoólicas são ações que ajudam quem busca cultivar hábitos saudáveis e prevenir doenças.

 

Alongue-se, faça uma caminhada no trajeto até o trabalho, troque o elevador pela escada quando possível, durma bem e reserve um tempo para o lazer. Tenha uma rotina mais leve e celebre as conquistas do seu dia a dia. Atitudes como essas fazem a diferença para a sua saúde e bem-estar.

 

Nas empresas, investir na qualidade de vida dos colaboradores ajuda a minimizar os impactos causados por absenteísmo, fadiga e doenças ocupacionais.

Saúde no ambiente de trabalho

 

Saúde no ambiente de trabalho

Uma empresa é responsável por seus colaboradores no que diz respeito a vários fatores, entre eles as condições e as relações de trabalho, suas condições gerais de vida e a preservação da sua saúde. Para dar suporte às empresas, foram criadas as áreas de Segurança e Medicina do Trabalho, responsáveis pela saúde do colaborador dentro do ambiente de trabalho.

A medicina preventiva, que começou a ser praticada há 200 anos, é a especialidade que se dedica à prevenção de doenças, e não ao seu tratamento, e hoje é uma das especialidades que mais ganha força no mundo. Dentro deste cenário, a Medicina do Trabalho, ou Medicina Ocupacional, foi criada para realizar a prevenção médica dentro do ambiente de trabalho, onde é preciso que o indivíduo tenha um bom rendimento na sua função. Para isto, é preciso alinhar o perfil de saúde do trabalhador (uma avaliação de sua capacidade física, ergométrica e mental) às atividades que ele deve desempenhar.

“O meio ambiente e a saúde são temas completamente indissociáveis, e a Medicina do Trabalho, juntamente com a segurança ocupacional, são os responsáveis por desenvolver, dentro das empresas, um ambiente cada vez melhor e, como consequência, uma melhora na saúde do trabalhador”, explica Dr. Ayoub.

Além dos exames médicos obrigatórios, muitas empresas têm outras ferramentas em sua grade preventiva, tais como: exames complementares, campanhas de vacinação, ginástica laboral, aulas com especialistas em prevenção e adequação ocupacional, além da Semana Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho (SIPAT), evento anual voltado à saúde ocupacional e a atividades de prevenção de acidentes.

Para determinadas profissões e cargos, os riscos envolvidos na rotina são ainda maiores. É o caso dos profissionais de saúde, que trabalham em hospitais ou laboratórios e estão expostos ao risco de contaminação por meio do contato com pacientes. Há uma série de cuidados voltados especificamente para este público, como equipamentos de proteção individual, treinamento adequado e demarcação das áreas de maior risco. Estas medidas minimizam as possibilidades de um funcionário contrair uma doença.

O cuidado com a saúde deve estar presente em todos os aspectos da vida, no pessoal, no profissional, nas relações, nos hobbies. A Medicina do Trabalho pode proporcionar uma melhoria da qualidade de vida do indivíduo como profissional, mas é preciso que cada um faça a sua parte para ter o corpo e a mente sempre sãos.

Brasil Medicina Ocupacional

Brasil Medicina Ocupacional

O Brasil Medicina Ocupacional acaba de lançar o seu novo site, com layout totalmente novo e informações atualizadas sobre nossos serviços e atendimentos. Navegue para saber mais sobre o que podemos fazer para a sua empresa e entre em contato com o nosso departamento comercial.

 

Sobre a marca

As equipes de trabalho são fundamentais em qualquer estrutura corporativa, por isso, investir na saúde e na qualidade de vida dos colaboradores é uma maneira eficaz de valorizá-los, além de aumentar a produtividade de sua empresa, e consequentemente, minimizar os impactos causados por absenteísmo, fadiga e doenças ocupacionais. O Brasil Medicina Ocupacional foi criado justamente para atender especificamente às necessidades de uma empresa no que diz respeito à saúde de seus profissionais.

Com um amplo espectro de atendimento em saúde, estrutura completa e metodologia inovadora, o Brasil Medicina Ocupacional oferece, além dos exames periódicos exigidos por lei, ferramentas para redução de custos, como gerenciamento do risco de fadiga, programas de qualidade de vida, e uma Unidade de Medicina Móvel, que leva o atendimento para a empresa. Tudo isto com o conhecimento e a experiência adquiridos nesses 10 anos de atuação em medicina preventiva.

Doenças provocadas por esforços repetitivos demandam atenção

Doenças provocadas por esforços repetitivos demandam atenção

Ao ouvir falar sobre LER – Lesões por Esforços Repetitivos – quase sempre associamos a sigla a uma doença ocupacional que atinge principalmente os profissionais que usam muito o computador, como os digitadores, por exemplo. Porém, o distúrbio, também chamado de DORT – Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho, em suma, representa não uma, mas algumas doenças que têm como característica o desgaste das estruturas do sistema musculoesquelético.  As mais comuns são: as tendinites – que afetam particularmente ombros, cotovelo e punho. As lombalgias – que atingem a região lombar, e as mialgias – dores musculares.

Não há um grupo específico que seja mais vulnerável a esta moléstia. Em geral, qualquer profissional exposto à esforços repetitivos, trabalho em postura estática contínua ou sobrecarga de tarefas pode ser afetado. Por isso, sintomas como dor nos membros superiores, dificuldade para se movimentar, formigamento e alteração na sensibilidade não devem ser ignorados. É importante procurar um médico, já que somente uma avaliação clínica poderá determinar a real causa dos sintomas e determinar qual o melhor tratamento.

Recomendações e prevenção

A prevenção continua sendo o melhor remédio, veja que alguns hábitos simples podem ajudar na conservação de sua saúde:

  • Se você trabalha sentado, procure manter as costas eretas, apoiadas num encosto confortável. Mantenha os ombros relaxados, e os punhos abertos
  • Independente da função desempenhada, adote posturas corretas
  • Faça pausas para alongar-se, pelo menos a cada hora
  • Respeite sempre os seus limites
  • Use ferramentas e acessórios adequados
  • Descanse. Lembre-se que o corpo precisa de um tempo para se recuperar

Ritmo frenético das grandes metrópoles aumenta número de trabalhadores noturnos

Ritmo frenético das grandes metrópoles aumenta número de trabalhadores noturnos

O trabalhador noturno não é necessariamente uma novidade, ou um privilégio do mundo moderno. Diversas áreas contam com este tipo de mão de obra há muito tempo. Porém, o aumento da oferta de serviços que são oferecidos 24 horas por dia, sete dias por semana, tem aumentado a demanda por estes profissionais. Mas será que é possível trocar o dia pela noite sem trazer complicações para a saúde? “Não”, pontua Leandro Stetner Antonietti, supervisor do Centro Multidisciplinar em Sonolência e Acidentes – CEMSA. Ele aponta a fadiga como um dos principais problemas enfrentados pelo trabalhador noturno. “Os impactos na saúde de cada trabalhador serão notados de acordo com o tempo que ele tolerar o trabalho noturno. A fadiga, por exemplo, será um desses problemas e causará um impacto crucial na rotina operacional deste trabalhador”.

Definida como sensação de desgaste, de intenso cansaço ou falta de energia, a fadiga nem sempre é notada pelo trabalhador e pode provocar danos à saúde, e acidentes fatais. Por isso, as instituições devem investir em pessoas treinadas para reconhecer, prevenir e minimizar os impactos da fadiga. “A fadiga diminui a auto percepção. O indivíduo acaba não percebendo estes efeitos nele mesmo, e alguém que está acordado há 19 horas tem todos os efeitos de uma pessoa embriagada, e pode provocar acidentes”, conta Renata Guedes Koyama, gerente do CEMSA.

Como medida de controle de prevenção, Renata aponta que é necessário que as instituições tenham profissionais treinados para reconhecer, orientar e acolher seus trabalhadores, além de implantar atividades que possam minimizar os efeitos da fadiga. “Não existe uma regra básica, as empresas podem implantar estratégias que vão desde cochilos de até 40 minutos, para que este trabalhador possa descansar, ou atividades como ginástica laboral para que ele possa despertar e retomar suas atividades com atenção e segurança. O trabalhador também tem que fazer a sua parte, e procurar manter as regras de higiene do sono”.

Higiene do Sono

Algumas regras podem auxiliá-lo a manter o proveito máximo de suas horas de sono, confira:

  • Tenha horários regulares para deitar e acordar
  • Vá para a cama somente quando estiver sonolento
  • Faça refeições leves à noite
  • Crie um ritual de relaxamento antes de dormir (banho relaxante, meditação, diminuir a luminosidade do quarto ou o que lhe favorecer relaxamento mental)
  • Se perder o sono, levante da cama e faça uma atividade calma. Ficar rolando de um lado para o outro causa estresse, o que piorará a insônia
  • Faça uma atividade física, o sedentarismo traz consequências ruins para todo o corpo e prejudica o sono
  • Evite consumir álcool e cafeína pelo menos seis horas antes de dormir